sábado, 1 de agosto de 2020

Tadeu Alencar


Hoje é o último dia de votação no Prêmio Congresso em Foco 2020, onde o nosso mandato concorre nas categorias Geral (melhor deputado) e Clima e Sustentabilidade. Agradeço aos amigos que deixaram mais uma vez seu voto de confiança no trabalho que temos feito.

Participar desse prêmio já é uma honra por ser um reconhecimento de que o nosso mandato vem seguindo a ideia que sempre batalhamos, de brigar pelos direitos do povo pernambucano e brasileiro. Sem dúvidas serve como um combustível para que possamos continuar nessa luta por vocês.

Mais uma vez muito obrigado pelo voto de confiança!

👉 Link na Bio

PAA está com chamadas públicas em Pernambuco

Agricultura Familiar


Unidades do Exército em Recife e São Bento do Una estão investindo em alimentos da agricultura familiar
Publicado em 19/07/2019 
Foto: Arquivo

Brasília/DF – Produtores de Pernambuco têm oportunidade de negociar seus cultivos por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Pela modalidade Compra Institucional, o Exército investirá mais de R$ 506 mil em alimentos da agricultura familiar. Vale lembrar que trabalhadores de todo o País, inscritos no PAA, podem enviar suas propostas.

A 10ª Companhia de Engenharia de Combate de São Bento do Una comprará R$ 149.286,85 em produtos como frutas, legumes, queijo, rapadura e doce de leite. Também podem fornecer suas produções silvicultores, aquicultores, extrativistas, entre outros. O prazo para envio de propostas da chamada pública de São Bento do Una acaba dia 31 de julho.

É importante ressaltar que, ao serem entregues, os gêneros alimentícios terão sua qualidade analisada. Caso não estejam em perfeitas condições de consumo, segundo avaliação do responsável pelo recebimento, os produtos serão devolvidos e o fornecedor deverá substituí-los.

Em Recife, mais investimentos ao PAA. O 14° Batalhão Logístico do Exército injetará R$ 356.927,43 em aquisições da agricultura familiar. Entre os produtos, estão batata doce, feijão verde, manga rosa, manga formosa, mel de abelha, queijo manteiga, entre outras variedades. As propostas devem ser encaminhadas até 28 de julho.

A coordenadora de Compra Institucional da Secretaria de Inclusão Social e Produtiva Rural do Ministério da Cidadania, Viviane Albuquerque, explica a importância do investimento das unidades militares pernambucanas para o mercado. “Para a gente é importante, principalmente, pela abertura de mais mercado na região Nordeste. Até agora, no ano de 2019, é a região que menos abriu mercado para os alimentos da agricultura familiar – apenas em torno de 4% do valor total de chamadas públicas”, destacou.

Saiba mais
O agricultor pode vender até o limite de R$ 20 mil, por ano, para cada órgão comprador. Já para as cooperativas ou associações, o teto é de R$ 6 milhões por ano. O PAA Compra Institucional permite que a administração pública federal, estadual e municipal possa obter, com recursos próprios, produtos da agricultura familiar com dispensa de licitação. Os editais para compras institucionais estão disponíveis no site www.comprasagriculturafamiliar.gov.br.

Fonte: http://mds.gov.br/area-de-imprensa/noticias/2019/julho/paa-esta-com-chamadas-publicas-em-pernambuco

Orientações de especialistas para plantar abobrinha

A abobrinha apresenta duas importantes espécies, a Cucurbita pepo e a Cucurbirta moschata

Orientações de especialistas para plantar abobrinha

“Classificada como uma hortaliça cucurbitácea, a abobrinha apresenta duas importantes espécies, a Cucurbita pepo, italiana, e a Cucurbirta moschata, brasileira. Ambas são tenras, saborosas e saudáveis, excelentes para o preparo de inúmeros pratos, desde refogados e cremes até saladas e recheios para pizzas”, enfatiza João Tessarioli Neto, engenheiro agrônomo e professor do Curso CPT Horta Caseira - Implantação e Cultivo.

Cultivares


As cultivares de abobrinha italiana, que se destacam são: a Clarita, a Samira e a Mazourka. Já as de origem brasileira, temos a Menina-brasileira, a Vitória e a Sandy. Todas com boa demanda no mercado nacional. Além dessas cultivares, existem outras igualmente importantes, como a Yasmim, a Caserta e a Clarinda (italianas) e a Brasileirinha, a Minipaulista e a Daine (brasileiras). A maioria se desenvolve melhor em regiões com temperaturas entre 20°C a 35°C.

Transplante e espaçamento


Após 20 dias da semeadura, assim que as mudas apresentarem entre 4 e 5 folhas, deve-se proceder ao transplante para local definitivo. O espaçamento para o plantio varia conforme a cultivar de abobrinha. No caso da cultivar italiana Caserta, é recomendado o espaçamento de 0,7 metro por 1 metro, enquanto que para a Clarita é de 1 metro por 1,2 metro. Já para a cultivar Menina-brasileira o espaçamento é de 3 metros por 3 metros.

Adubação e calagem


O pH ideal para plantar abobrinha deve se manter entre 6 e 6,5, o que pode ser corrigido com a calagem. Cerca de 15 dias antes da semeadura, deve-se adubar a cova ou o sulco com 150 gramas de NPK, na proporção 4-14-8, juntamente a um quilo de esterco de curral curtido. Na floração e frutificação, deve ser realizada a adubação de cobertura com 5 gramas de nitrogênio e 25 gramas de sulfato de amônio por cova ou sulco.

Irrigação


Durante a seca, a abobrinha deve ser irrigada regularmente com aproximadamente 8 litros de água por cova ou sulco. Se a planta for jovem, a irrigação deve ser feita com mais frequência e em menor volume de água. Enquanto que a planta adulta pode ser irrigada em maiores intervalos, mas com grande volume de água. A irrigação da abobrinha não deve ser realizada pela manhã. Caso contrário, pode impactar no processo de polinização.

Produção


As cultivares de abobrinha italiana podem ser colhidas assim que atingirem 20 centímetros de comprimento, ou seja, 40 dias após o plantio ou 5 dias após a floração. Já as cultivares de abobrinha brasileira podem ser colhidas quando alcançarem 25 centímetros de comprimento, isto é, 75 dias após o plantio. Geralmente, a produtividade da abobrinha chega a 20 toneladas por hectare cultivado.

Conheça os Cursos CPT:

Horta Caseira - Implantação e Cultivo

Produção de Tomate para Indústria

Cultivo e Uso do Nim

Fonte: Globo Rural - revistagloborural.globo.com

Por Andréa Oliveira.

Cultura da mandioca: aprenda sobre sua importância e como cultivá-la

A cultura da mandioca é de importância fundamental na mesa do brasileiro, além de muito utilizada na indústria e principalmente na alimentação animal

A cultura da mandioca é de importância fundamental na mesa do brasileiro, além de muito utilizada na indústria e principalmente na alimentação animal.

cultura da mandiocaaipim ou macaxeira tem sua origem provável nas regiões centrais do Brasil e já eram cultivadas pelos indígenas muito antes da colonização. Seu uso é extenso:  em primeiro lugar, para a alimentação animal; em segundo, na indústria (onde são produzidos os mais diversos derivados da mandioca) para a alimentação humana, além do seu consumo "in natura". A mandioca é considerada uma cultura de fácil desenvolvimento e condução, sendo amplamente utilizada na agricultura familiar em quase todos os cantos do nosso país.

Somos o segundo maior produtor de mandioca do mundo, em torno de 13% , e temos uma produção anual de cerca de 23 milhões de toneladas por ano, sendo uma das principais culturas do país. Os Estados que mais produzem mandioca são: Pará -18% , Bahia - 17%, Paraná -15%, Rio Grande do Sul - 6%  e Amazonas - 5%. Dentre as regiões maiores produtoras, destacam-se a Nordeste (35%) e a Norte (24%), mas que apresentam baixas produtividades, em torno de 11 ton/ha. Os maiores consumidores do país também são dessas regiões, na forma de farinha de mandioca. Já as maiores produtividades concentram-se nas regiões Sudeste e Sul, com médias que variam entre 17 e 18 ton/ha, destinadas em sua maior parte para a indústria.

As mandiocas são divididas em dois tipos: "mansas" e "bravas", conforme o nível de toxidez causado pelo ácido cianídrico (HCN) existente em suas raízes. As "mansas" são utilizadas para a alimentação humana "in natura" e suas características para uso na culinária e resistência a pragas e doenças devem ser levadas em consideração. As mandiocas "bravas" têm alta concentração de HCN, em suas raízes, e são destinadas principalmente à indústria, para a fabricação de farinhas e féculas, para alimentação humana. Além de seus subprodutos utilizados nas indústrias de alimentos embutidos, embalagens, colas, alimentação, têxtil e outras. Alguns exemplos de variedades de mandioca: Bahiana, Guaxupé, Cacau (amarela), IAC Jaçanã, IAC Mantiqueira e outras. Uma das preferidas para o consumo em mesa é a mandioca Cacau, devido à coloração, ao sabor e à consistência ao ser cozida.

De acordo com seu ciclo de produção, a mandioca pode ser dividida em precoce, média e tardia.

Condições de cultivo

A mandioca pode ser amplamente cultivada, em termos de solos e clima. A amplitude térmica ideal varia de 10 a 40°C. Ela só não suporta geadas. Os tipos de solos podem ser bem variados, até solos levemente ácidos. Devem ser feitas correções com calcário, em caso de acidez mais alta, e adubação de acordo com a análise de solo. Da mesma forma, devem ser feitas a adubação de plantio e de cobertura que ocorrerão entre o 40 a 60 dias do início da cultura. O preparo do solo deve ser feito de maneira mínima para que a planta tenha um bom desenvolvimento radicular. Para o plantio, são feitos sulcos onde se depositam as "manivas". A época de plantio geralmente é no início do período chuvoso, no Centro-Sul, no mês de outubro, pois essa raiz necessita de 1000 a 1500 mm de água para completar seu ciclo.

Manivas e plantio

As ramas da mandioca darão origem às manivas que serão plantadas no campo. Devem ser selecionadas ramas de plantas com características de alta produção e sanidade. Estas devem estar maduras, entre 8 a 12 meses de idade. As ramas são cortadas em manivas que terão em torno de 20 cm, de 5 a 7 gemas, e retiradas dos terços médio e inferior das ramas. Geralmente, 5 m³ de ramas rendem em torno de 1 ha de plantio.

Como já citado, são feitos sulcos de plantio onde são depositadas as manivas na horizontal. Em caso de solos muito argilosos, são feitos camaleões, onde são plantadas as mudas de mandioca, além do plantio em covas. Os espaçamentos mais comuns, utilizados na cultura, estão entre 1,00 a 1,20 m, entre fileiras, para 0,5 a 0,8 m entre plantas.

Tratos culturais

É preciso manter a cultura "no limpo" nos primeiros 100 dias de cultivo da mandioca. O mais comum nas pequenas propriedades é fazer a capina com enxada. Em cultivos maiores, podem ser feitas aplicações de herbicidas, com a devida orientação do engenheiro agrônomo, além do receituário agronômico.

A cultura da mandioca, apesar de ser bem rústica, é susceptível a algumas pragas e doenças, que devem ser prevenidas e diagnosticadas em caso de ataque,para o devido tratamento. A praga mais comum é o mandarová, já a doença  é a bacteriose.

Em época muito seca, durante o ciclo, deve-se proceder à irrigação como medida para não faltar água por período demasiadamente longo.

Colheita

colheita da cultura da mandioca se faz com a idade de 10 a 20 meses. Em plantios comerciais, deve-se cultivar plantas com ciclos diferentes, para aumentar o tempo de colheita, ou quando do seu início, ser contínua. Após a colheita da mandioca, as raízes devem ser comercializadas e consumidas, no máximo, de 48 a 72 horas, devido a transformações químicas, que causam depreciação de qualidade.

Ao redor dos séculos,  cultura da mandioca vem mostrando ser uma importante fonte de alimentação e tradição para a confecção e o acompanhamento dos mais variados pratos. A sua utilização na alimentação animal é alta, em torno de 50%  da produção, e sua utilização na indústria é fundamental em variados setores.

Fonte: https://www.portalagropecuario.com.br/agricultura/cultura-da-mandioca-aprenda-sobre-sua-importancia-e-como-cultiva-la

“Precisamos retomar essa discussão”, diz Patriota sobre implantação da LGDP nos municípios

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco e prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, participou ontem (30/07), de webinar realizado pelo Sebrae que discutiu a aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no serviço público. Na oportunidade, Patriota destacou que é o assunto é mais um desafio para os municípios e frisou a importância do tema figurar na pauta dos prefeitos.

O webinar também contou com a presença do advogado e especialista em direito empresarial, Marcos Pontes, que destacou a importância do consentimento do titular para o uso de seus dados e o que os municípios precisarão se adequar. “O titular deve estar sempre ciente de como o poder público ou empresa vai usar seus dados. E os municípios terão que designar um encarregado, com aptidões técnicas, para conduzir e controlar a questão na administração pública municipal”, afirmou o advogado.

O presidente da Amupe, José Patriota, se comprometeu em colocar em pauta o assunto com os prefeitos pernambucanos e destacou o desafios dos municípios, principalmente das cidades pequenas, acerca da montagem de uma estrutura tecnológica que atenda às condições da Lei. “É urgente o debate desta importante legislação. Temos que voltar a discutir, pois é uma questão que impacta diariamente o funcionamento da gestão municipal e a vida das pessoas”, enfatizou o também prefeito de Afogados da Ingazeira.

“Ao mesmo tempo é mais um desafio. As prefeituras possuem dados importantes dos cidadãos. A pasta da saúde, da assistência social, educação, possuem muitas dados pessoais que, com a LGPD, devem ser integrados, a fim de criar um único banco de informações. Minha preocupação é com as cidades de pequeno porte, carentes de recursos, que terão que se adequar a questão. No entanto, a Amupe se compromete em discutir e buscar as melhores soluções para o cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados”, concluiu. O webinar completo está disponível no Youtube do Sebrae, no link https://bit.ly/2D3mzS2.

Fonte: https://nilljunior.com.br/

Regulamentada lei que torna uso de máscaras obrigatório em PE

Foto: Wellington Júnior

Foi regulamentada nesta sexta-feira (31) a Lei nº 16.918, de 18 de junho de 2020, que dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras em todo o Estado de Pernambuco durante o período da pandemia causada pela Covid-19. 

O uso de máscaras passa a ser obrigatório em vias públicas, parques e praças; pontos de ônibus, terminais de transporte coletivo, rodoviárias, portos e aeroportos; veículos de transporte coletivo, táxis e transporte por aplicativos; repartições públicas, estabelecimentos comerciais, industriais, bancários, empresas prestadoras de serviços e quaisquer estabelecimentos congêneres; e outros locais em que possa haver aglomeração de pessoas.

De acordo com o decreto, os órgãos públicos e estabelecimentos privados devem proibir a entrada, em seu recinto, de pessoas que não estiverem utilizando máscaras. Caso sejam identificados indivíduos sem o equipamento de proteção, os responsáveis pelos órgãos ou estabelecimentos deverão orientar sobre a necessidade do uso. Em caso de recusa, deverão determinar a retirada do infrator, inclusive com o acionamento de força policial, caso necessário.

As empresas que descumprirem a norma poderão ser autuadas e sofrer desde uma advertência até multas entre R$ 1 mil e R$ 100 mil, dependendo do porte do estabelecimento. 

A fiscalização será realizada por órgãos estaduais e municipais de vigilância sanitária, defesa do consumidor, defesa social, fiscalização do trabalho e do transporte, em articulação com a Secretaria Estadual de Saúde.

Fonte: https://nilljunior.com.br/