sexta-feira, 17 de junho de 2011

RELATÓRIO SOBRE DEFICIÊNCIA 2011 DA OMS.


Novo relatório mundial mostra que mais de 1 bilhão de pessoas com deficiência enfrentam barreiras significativas em suas vidas. Os governos devem intensificar os esforços para permitir o acesso aos serviços de base e investir em programas especializados para desobstruir o vasto potencial das pessoas com deficiência
9 de junho, 2011 | Nova Iorque - O primeiro "Relatório Mundial sobre a deficiência" fornece as primeiras estimativas globais das pessoas com deficiência em 40 anos e uma visão geral do estado da deficiência no mundo. Nova pesquisa mostra que quase um quinto do total da população global é de pessoas vivendo com deficiência ou dificuldades significativas.

O relatório sublinha que poucos países dispõem de mecanismos adequados para dar resposta às necessidades das pessoas com deficiência. As barreiras incluem o preconceito e a discriminação, a falta de cuidados de saúde adequados, serviços de reabilitação e de transporte acessíveis, edifícios e tecnologias de informação e comunicação. Como resultado, as pessoas com deficiência dispõem de uma saúde mais precária, menor aproveitamento escolar, poucas oportunidades econômicas e elevadas taxas de pobreza do que as pessoas sem deficiência.

"A deficiência é parte da condição humana", diz a diretora-geral Margaret Chan. "Quase cada um de nós vai ser permanente ou temporariamente deficiente, em algum momento da vida. Precisamos fazer mais para quebrar as barreiras que segregam as pessoas com deficiência, em muitos casos, forçando-os à margem da sociedade."

"Enfrentar e buscar soluções para a saúde, educação, emprego e o desenvolvimento de outras necessidades das pessoas com deficiência é fundamental para a realização de Desenvolvimento do Milénio", disse Robert B. Zoellick, presidente do Grupo do Banco Mundial. "Precisamos ajudar as pessoas com deficiência a terem acesso equitativo às oportunidades de participar e contribuir com suas comunidades. Eles têm muito a oferecer se for dada uma chance justa de fazê-lo. "

Principais conclusões e recomendações 
O relatório mostra que as pessoas com deficiência têm duas vezes mais probabilidade de receber cuidados de saúde inadequados para atender às suas necessidades, e quase três vezes mais probabilidade de relatar que teve negado os cuidados de saúde. Em países de baixa renda as pessoas com deficiência têm 50% mais probabilidade de ter as despesas de saúde a custos exorbitantes do que as pessoas não deficientes.

As crianças com deficiência têm menos probabilidade de ingressar na escola que as crianças não-deficientes e também têm menores taxas de permanência na escola. Segundo a Organização para a Cooperação Econômica e o Desenvolvimento (OCDE), a taxa de emprego das pessoas com deficiência (44%) é pouco maior do que a metade da taxa para as pessoas sem deficiência (75%).

O relatório recomenda que os governos e seus parceiros de desenvolvimento de proporcionar às pessoas com deficiência o acesso a todos os principais serviços, investir em programas e serviços específicos para pessoas com deficiência e adotar uma estratégia nacional para a questão da deficiência e plano de ação. Além disso, os governos devem trabalhar para aumentar a consciência pública e a compreensão sobre as pessoas com deficiência e fornecer todos os apoios às pesquisas e formação de profissionais na área.

Foi ressaltado como de suma importância, consultar e envolver as próprias pessoas com deficiência na concepção e implementação destes esforços.

O renomado físico Stephen Hawking disse: "Temos o dever moral de remover os obstáculos à participação de pessoas com deficiência, além de investir recursos e competências suficientes para desobstruir o seu vasto potencial ... Tenho esperança de que este século será marcado como um ponto de virada para a inclusão das pessoas com deficiência na vida de suas sociedades."
 Cerca de 150 países e organizações regionais tenham assinado a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, e 100 o ratificaram, comprometendo-se a remoção de barreiras para que as pessoas com deficiência possam participar plenamente em suas sociedades. O Relatório Mundial sobre a deficiência, desenvolvido com a contribuição de mais de 380 especialistas, será um recurso fundamental para países que apliquem a Convenção.

Acesse: http://www.who.int/disabilities/world_report/2011/report/en/index.html e conheça o relatório mundial. A versão integral está disponível em língua inglesa e as sínteses em outros idiomas e em versões acessíveis.


Fonte: Comunicado de imprensa OMS, 9 de junho de 2011

Nenhum comentário: