segunda-feira, 26 de março de 2012

RELATÓRIO SOBRE DEFICIÊNCIA REVELA UM MUNDO SEPARADO.


Relatório sobre deficiência revela um mundo separado

0
  • 22 Julho 2011
Por Michael Grimm
 / Créditos: Reuters
Excluídos pela sociedade, os deficientes têm, na discriminação da sociedade, uma das maiores barreiras para alcançar a reabilitação. (Foto: Reuters)
O primeiro relatório mundial sobre deficiências revela o pior inimigo – e o mais persistente – para mais de um bilhão de pessoas com deficiência: a discriminação.
Justin Black sofre de distrofia muscular, uma doença hereditária que vai atrofiando seus músculos inexoravelmente até eles não funcionarem mais.

A maior parte do seu corpo já não lhe obedece. Ele luta para manter sua voz praticando com um terapeuta da fala, mas está preso à cadeira de rodas e precisa de seis assistentes que se revezam em turnos para atendê-lo 24 horas por dia.

Porém, apesar dessas enormes deficiências, esse jovem de 26 anos que mora na Bavária, Alemanha, construiu para si mesmo uma bem-sucedida carreira como jornalista freelancer – inicialmente como redator e depois, quando seus dedos pararam de funcionar, como produtor de vídeo.

"Foi um longo caminho até chegar aonde estou", diz ele, refletindo menos sobre a sua luta no sentido físico e mais sobre a luta por aceitação, reconhecimento e obtenção de apoio financeiro. Em resumo, a luta contra a discriminação.

"Quando estou no set com meu cameraman, as pessoas se acostumam comigo muito rapidamente", diz ele. "Mas na rua é diferente".

A condição humanaAs barreiras sociais são uma das questões essenciais identificadas pelo primeiro Relatório Mundial sobre Deficiência, publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Banco Mundial, em junho de 2011. O relatório tem como meta uma melhor compreensão das deficiências, seja por problemas físicos, seja por problemas de saúde mental.

A primeira coisa que o relatório faz é destacar o número inacreditável de pessoas que, tal como Justin, convivem com alguma disfunção: mais de um bilhão de pessoas, ou seja, quase 15% da população mundial.

Esse número está 5% acima da estimativa anterior, datada dos anos 70, e isso se deve, em grande parte, à maior expectativa de vida e ao aumento correspondente das doenças crônicas relacionadas à velhice, tais como diabetes e doenças cardiovasculares.

"A deficiência é parte da condição humana", disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, na apresentação do relatório em Nova Iorque, “independentemente de onde moramos e de sermos ricos ou pobres. Na prática, cada um de nós terá alguma deficiência, em caráter permanente ou temporário, em algum momento da vida".

No entanto, uma mensagem essencial que os autores enfatizam é que a deficiência é uma questão de desenvolvimento. Cerca de 80% dessas pessoas hoje vivem em países de baixa renda, e muitos mal sobrevivem às duras condições locais.

No geral, deficientes correm maior risco de resvalar para um nível abaixo da linha da pobreza, já que os custos com sua saúde muitas vezes excedem sua renda.

As necessidades das pessoas com deficiências têm sido ignoradas há muito tempo, alerta o relatório. Elas precisam fazer parte dos programas internacionais e se beneficiar com os projetos de desenvolvimento.
 / Créditos: Shutterstock
Mais de um bilhão de pessoas, ou seja, quase 15% da população mundial, possui alguma deficiência. (Foto: Shutterstock)
"Cuidar da saúde, da educação, do emprego e de outras necessidades de desenvolvimento das pessoas com deficiência é fundamental para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio até 2015", disse o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, durante o lançamento do relatório.

Mas é claro que os deficientes enfrentam barreiras nos países ricos também – pergunte ao Justin.

"Eu ainda acho que a proteção aos monumentos é mais importante na Alemanha do que as pessoas", ele diz, enfurecido pelo número de edifícios sem acessibilidade na Alemanha. Ele contrapõe essa situação problemática aos Estados Unidos, onde todo edifício público é obrigado a ter uma rampa para cadeiras de rodas.

Algumas legislações governamentais estão conferindo maior poder às pessoas com deficiência. Em 2008 a Alemanha introduziu o chamado 'orçamento individual’, um programa de reabilitação custeado pelo governo que prevê o direito legal aos beneficiários para decidirem que tipo de auxílio eles precisam e quem contratar.

Fim da segregação nas escolas
Porém o maior desafio para Justin e outros deficientes é, de longe, a igualdade social. Ele conta que um passageiro de avião perguntou ao seu assistente se Justin tinha consciência do ambiente à sua volta. E a resposta foi de que ele estava ciente – e muito! – de tudo que se passava em volta dele e por quê.

"Enquanto as crianças com deficiências forem separadas dos colegas na escola, você nunca terá o grau de aceitação que é tão desesperadamente necessário", explica ele. "Como as crianças poderão aprender a lidar com as pessoas com deficiência se elas não aprenderem isso desde cedo?"
Essa é outra mensagem fundamental do Relatório Mundial sobre a Deficiência. Lidar com a discriminação mantendo as crianças com deficiência na escola é crucial.

Muitas sociedades tendem a esconder essas crianças, mantendo-as em casa, pois é difícil lidar com elas: não há a infraestrutura e a expertise necessárias para auxiliá-las ou, simplesmente, elas são consideradas algo embaraçoso ou vergonhoso.

A Escandinávia foi pioneira em tornar as escolas mais inclusivas. Na Suécia, por exemplo, as escolas especiais estão intimamente ligadas às escolas do ensino elementar, permitindo assim que as crianças com eficiências participem das aulas com alunos sem deficiência. Países como Vietnã e Laos também são elogiados no relatório pelos esforços nesse sentido.

"A deficiência não precisa ser um obstáculo ao êxito", escreve o astrofísico inglês Stephen Hawking no prefácio do relatório.

Justin Black é a prova viva disso. Se tivesse pleno domínio sobre seu corpo, o sonho de Justin seria trabalhar como guarda-costas. Na verdade, ele tem força suficiente não só para se defender, mas também para se levantar e falar em nome das pessoas com deficiência.

Nenhum comentário: