domingo, 15 de outubro de 2017

DEPUTADO CRIA SINALIZADORES DE JUMENTOS COMO PALIATIVO PARA EVITAR ACIDENTES EM RODOVIAS DO SERTÃO DE PE



O deputado estadual Odacy Amorim (PT), parece que cansou de apelar para governos e demais instituições como o Ministério Público, entre outros órgãos governamentais, para sua campanha de retirada de jumentos nas estradas do Sertão do estado, ação que ele mantém há quatro anos, agora criou nova medida paliativa: sinalizadores que serão colocados nos jumentos para alertarem motoristas que transitam pelas rodovias do Sertão pernambucano.

O deputado disse que resolveu criar o dispositivo, após várias tentativas de busca de apoio para custear o Parque Ecológico de Proteção aos Jumentos. A estrutura localizada em Lagoa Grande, no sertão do São Francisco, abriga os jumentos que são retirados das pistas, evitando mortes de pessoas e animais no trânsito rodoviário sertanejo. Entretanto, o deputado mantem o parque sozinho, sem ajuda institucional ou governamental e a capacidade do lugar já não suporta mais animais, restando agora o paliativo os sinalizadores.

“Esse nosso trabalho é bonito e importante, mas que infelizmente não encontrou apoio por parte dos governos municipais, nem tampouco do governo estadual e federal. Diante das dificuldades e da impossibilidade de retirada de todos os bichos das estradas, criamos um mecanismo que permite a identificação dos animais nas BRs ainda numa distância segura, havendo tempo para que o condutor evite a colisão e possa preservar a vida humana e também a animal. Trata-se de uma medida paliativa, mas que vem para ajudar a diminuir ainda mais, a curto prazo, as ocorrências”, justificou Odacy.

Dados da Polícia Rodoviária Federal no estado, apontam que com a retirada de parte dos jumentos para serem abrigados no Parque Ecológico fundado pelo parlamentar, houve uma redução de quase 90% de acidentes no últimos três anos que seriam provocados pelos jumentos nas rodovias federais que cortam o Sertão do estado. (O povo com a notícia)

sábado, 14 de outubro de 2017

SETENTA E SETE POR CENTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ACREDITAM QUE NÃO TÊM SEUS DIREITOS RESPEITADOS NO PAÍS



Essa é uma das conclusões da pesquisa “Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil”, feita pelo DataSenado com base num cadastro cedido pelo IBDD com 10.273 pessoas com deficiência em todas as regiões do Brasil. A pesquisa ouviu 1.165 pessoas com deficiência entre os dias 28 de outubro e 17 de novembro de 2010, sendo 759 deficientes físicos, 170 visuais e 236 auditivos.
De acordo com o resultado da pesquisa, falta atuação mais firme do Estado na prevenção e tratamento oferecidos às pessoas com deficiência. Sessenta e quatro por cento dos entrevistados disseram que a prevenção de doenças que causam deficiência tem sido pouco eficiente. Os deficientes visuais são os que mais se ressentem (76%), seguido pelos deficientes físicos (62%) e pelos auditivos (60%).
A pesquisa mostrou que, para 43% dos entrevistados, a discriminação no ambiente de trabalho ainda é uma realidade. Esse índice sobe para 63% entre os deficientes auditivos, enquanto os deficientes visuais chega a 44%, contra 36% dos deficientes físicos. Para 52% dos pesquisados, a legislação trouxe avanços na inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Mas as dificuldades ainda são sentidas entre os deficientes auditivos (33%), seguidos pelos visuais (20%) e físicos (17%).
Trinta e oito por cento do total dos entrevistados considera o emprego a área que precisa de mais atenção para que a condição de vida das pessoas com deficiência melhore. Em seguida vem saúde (22%), educação (19%), transporte (13%), habitação (5%) e lazer (3%).
A pesquisa foi apresentada e debatida no último dia 8 no Senado Federal, em Brasília, durante o Fórum Senado Debate Brasil pela diretora da Secretaria de Pesquisa e Opinião do Senado Federal, Ana Lúcia Novelli, e pela superintendente do IBDD, Teresa Costa d’Amaral. Você pode ver a íntegra da pesquisa, que inclui ainda opiniões sobre educação, informação, acessibilidade e lazer, nesses dois arquivos: